O que é Call to Action e como usar em seu marketing de conteúdo?

Nós temos que nos preocupar com dezenas de coisas todos os dias, isso você já sabe. Mas talvez o que ainda seja segredo para você, é que o nosso cérebro foi treinado para economizar energia e escolher as opções mais fáceis em nosso dia a dia. Ou seja, ele fará de tudo para tomar decisões mais rápidas e poupar você do trabalho de pensar.

call-to-action

Neste contexto, os gatilhos mentais que falei em outro artigo, juntamente com o call-to-action são grandes aliados. Cada um a seu modo dispara frases imperativas ao nosso cérebro e ativam atalhos de decisão que nos ajudam a escolher a melhor opção para cada caso.

Por exemplo, você já deve ter se deparado inúmeras vezes com placas de sinalização. Algumas delas reúnem frases ou palavras como:

  • Empurre;
  • Puxe;
  • Aperte aqui;
  • Pressione este botão;
  • Entre;
  • E assim por diante.

Quando você se depara com essas mensagens não restam dúvidas do que precisa ser feito, não é mesmo? Bingo! Um atalho perfeito para o nosso cérebro preguiçoso. J

Mas os CTAs ainda estão presentes em outros momentos de nossas vidas. Até mesmo as placas de trânsito representam CTAs em nosso cotidiano.

Mas quando falamos em marketing de conteúdo, o que pode ser considerado um Call to action, para que serve e como usá-lo da melhor forma possível em sua estratégia?

É exatamente sobre isso que vou falar hoje. Então, se você quer usar esta potente ferramenta de marketing para aumentar os seus leads, cliques e conversões diversas em seu site, continue a ler este artigo até o fim.

O que é Call to Action?

Também conhecido como chamada para ação ou CTA, um call to action é uma chamada em texto, imagem ou vídeo com o objetivo de levar o visitante de seu site a cumprir determinado objetivo.

Seja para clicar em um banner e ser direcionado a uma página de captura, acessar um produto de sua loja virtual ou qualquer outro objetivo, um CTA sempre deseja levar o seu visitante ou prospecto até o próximo estágio do funil de vendas.

O maior intuito de um call to action bem orquestrado é despertar a atenção, interesse, desejo e principalmente a ação nas pessoas que o visualizam. Em outras palavras, o CTA deve ser destacado na página de forma a chamar a atenção do usuário e fazê-lo cumprir o seu objetivo, seja clicar em um link ou preencher um formulário.

Mas como garantir que você tem um bom CTA? A primeira coisa é definir qual o melhor tipo de call to action para o seu objetivo, e vamos falar desse assunto no próximo tópico.

Tipos de Call to Actions

Como já mencionei neste artigo um CTA pode ter diferentes objetivos e finalidades. Por isso, em marketing digital agrupamos as chamadas para ação de acordo com a atitude que deve ser tomada pelo usuário.

Veja os principais tipos de Call to Action abaixo e descubra quando e como usar cada um deles:

1. Deixar um comentário

Este é o CTA mais comum de todos. Eu aposto que você já viu várias vezes o pedido para que você deixe um comentário após ler um artigo. Aqui mesmo no Blog do RedatorOnLine.net usamos essa chamada para ação com frequência.

Mas quando você deve usá-la em seu blog?

Na maioria das vezes, um comentário em um artigo de blog ou post em rede social é usado para gerar engajamento. Nestes casos o foco do artigo é gerar uma conversa com a audiência e também obter feedback sobre o conteúdo que vem sendo gerado.

Use deste artifício em conteúdos mais genéricos, aqueles usados no topo de funil. Mas atenção, não basta apenas convidar o leitor a deixar um comentário. Envolva-o com o tema de seu artigo e desperte o interesse dele em participar.

2. Compartilhar nas redes sociais

Outra chamada para ação que já se tornou clichê no marketing digital. Já se tornou tão comum que a maioria das pessoas usa de qualquer forma, sem planejamento e por causa disso acaba não alcançando os resultados esperados.

Devemos abandonar este CTA então?

Claro que não! Assim como o comentário, o seu pedido para que sua audiência compartilhe seus conteúdos nas redes sociais também deve envolver o prospecto. Nada de criar mensagens vazias e sem sentido.

Convidar o leitor para compartilhar nas redes sociais também é uma técnica muito útil para conteúdos de topo de funil. Porém, lembre-se que o seu visitante só fará isso se o conteúdo for realmente de qualidade. Logo fique atento à qualidade de suas publicações.

3. Ler outro artigo

Para finalizar os CTAs de topo de funil temos o “ler outro artigo”. Essa chamada funciona muito bem para educar seu potencial cliente e ainda ganhar alguns pontos com o Google. Geralmente usamos desta estratégia para melhorar o desempenho de artigos (através do link building) ou para fazer com que o lead consuma um conteúdo do próximo estágio do funil de vendas.

Por exemplo: Ao chegar neste artigo sobre CTA nós podemos direcionar o leitor para baixar algum material gratuito ligado a este mesmo tema. Assim além de complementar a informação, transformamos a visita em um lead.

Como e quando usar?

Posts de topo e meio de funil são ótimos para linkar os seus artigos. Porém, o conteúdo de destino deve estar ligado com o tema do artigo de origem e complementar a informação. Caso contrário o seu prospecto simplesmente vai ignorar o seu pedido.

4. Assinar a newsletter

Esta chamada para ação tem um único objetivo: transformar as visitas de seu blog em contatos na sua lista de emails. Saiba que este CTA é extremamente poderoso, pois além de ajudar você no processo de conversão na jornada do comprador, também cria uma base de contatos sólida e aquecida. Isso porque o lead tem interesse real em seu conteúdo!

Ok, mas quando usar?

Não há uma regra clara de quando você deve chamar o visitante para assinar sua newsletter. Na verdade isso depende de seu objetivo com o marketing de conteúdo. Sempre que o seu foco for gerar lista e criar uma base de contatos, esta chamada para ação é bem vinda.

Contudo ela costuma funcionar melhor em posts mais completos e que despertam o interesse do visitante de algum modo. O ponto fundamental é que você deve destacar as vantagens de assinar a sua newsletter. Uma ajuda útil é criar uma página de captura como essa.

5. Acessar uma landing page

Este CTA também é usado com frequência para gerar leads, mas também pode ser útil para gerar vendas em seu blog. A landing page é qualquer página de destino em seu site e você deve direcionar o visitante para o local que está mais de acordo com seu objetivo. Ou seja, se o foco são vendas direcione para sua loja virtual, página do produto ou serviço que está oferecendo.

Outra alternativa é usar esta chamada para oferecer o download de materiais ricos. Neste caso, CTAs visuais têm mais efeito do que apenas textos. Contudo você deve testar todos os modelos de call to actions para verificar a responsividade de sua audiência.

E quando convidar o leitor de seu blog para acessar uma landing page?

A resposta é bem simples: sempre que for conveniente. Em outras palavras quando você possui um conteúdo gratuito disponível e relacionado ao seu artigo, use deste CTA. Se o seu artigo está mencionando os serviços e/ou produtos de sua empresa, link para a página de vendas e assim por diante. Apenas tenha em mente que este CTA deve ser usado com cautela!

6. Entrar em contato

Este CTA já não é tão comum como os anteriores. O motivo para isso é porque ele exige uma dedicação maior por parte de seu visitante ou prospecto. Ou seja, o esforço para deixar um comentário em um artigo em seu blog é infinitamente menor do que ele preencher um formulário de contato com a sua empresa.

Por que isso acontece?

Simples! Para se dispor a entrar em contato com você o visitante de seu site precisa ter o mínimo de informações necessárias sobre a sua empresa, produto ou serviço. Por esse motivo, a chamada para ação “entrar em contatoé mais eficaz quando usada em conteúdos de fundo de funil.

Um exemplo prático é aquele conteúdo em seu blog que lista as perguntas frequentes de seus clientes. Ao fim dele, você pode convidar o leitor a entrar em contato com sua empresa, caso ainda tenha dúvidas.

7. Comprar agora

Tá aí um CTA difícil de entender, não é mesmo? Por um lado todos os empreendedores gostariam de colocar essa chamada para ação em todas as suas publicações, por outro o usuário raramente responde ao pedido. É como se você estivesse lidando com a Super Lua do marketing digital, porém um pouco mais simples.

Você não precisa esperar meia década para colocar este CTA em seus conteúdos e nem deve esquecê-lo. Por sua complexidade, alguns empreendedores simplesmente o ignoram e se esquecessem do poder gigantesco que ele pode ter.

Contudo reserve este call to action para os posts de fundo de funil, páginas de vendas e email marketing de sua empresa. Ele costuma funcionar melhor nestas circunstâncias.

O que levar em conta na hora de criar um CTA?

Agora que você conheceu os principais tipos de CTA chegou a hora de entender como criar o seu. Algumas regras básicas podem ajudá-lo a escolher o formato de CTA ideal e ao mesmo tempo garantir que ele cumpra os seus objetivos.

Então, vamos ver algumas coisas que você deve levar em conta antes e durante a criação de seu call to action.

1. Jornada do comprador

Como você viu acima, a maioria das chamadas para ação possui finalidades ligadas a uma fase da jornada do comprador. Enquanto o “deixar um comentário” funciona bem no topo do funil, o “comprar agora” é mais indicado para conteúdos do fundo de seu funil de vendas.

Por esse motivo, a primeira coisa a se levar em conta na escolha de seu CTA é o estágio da jornada de comprador. O seu conteúdo foi criado para qual etapa?

Depois disso fica mais fácil definir todo o resto, especialmente, porque assim você evita de selecionar o CTA errado, ou seja, uma chamada que não está ligada com seu objetivo e o estágio de compra que o lead se encontra. Afinal de contas, o maior objetivo do call to action é fazer o lead avançar no funil de vendas, não é mesmo?

2. Persona do conteúdo

Outra coisa a se levar em conta é a persona do conteúdo. Eu estou certo que você já definiu a persona de seu negócio, porém, uma mesma empresa pode ter mais de um perfil comprador.

Em seu blog a mesma coisa pode acontecer. Mesmo que você crie conteúdos relacionados, alguns temas não vão interessar a todo mundo. Conhecer quem de fato tem interesse no conteúdo que está produzindo também vai ajudar a entender qual o melhor CTA para este caso.

Fazer este questionamento ajuda você a encontrar respostas para perguntas como: “O que pode interessar este leitor?”; “Alguma dúvida extra pode surgir deste conteúdo, qual?”; “Se eu estivesse no lugar dele, qual seria o meu próximo passo (baixar um ebook, comprar o produto, entrar em contato, etc.)?”. Garanta que o planejamento de seu conteúdo responda a essas perguntas.

3. Não misture CTAs

Um erro muito comum é misturar os CTAs na conclusão dos artigos para blog principalmente. A maioria das pessoas convida o visitante a deixar um comentário, compartilhar nas redes sociais, assinar a newsletter e ler outro artigo.

Não teria nenhum problema com isso se esses pedidos não fossem feitos tudo de uma só vez. Quando você empilha vários CTAs confunde o leitor e ele acaba por não fazer nada, ou seja, não atende nenhuma das chamadas para ação que você sugeriu. Lembre-se que o objetivo do CTA é criar um atalho de decisão e ajudar o prospecto a se decidir, não deixá-lo ainda mais confuso.

Por esse motivo, quando for criar o seu CTA defina o seu objetivo e avalie qual deles melhor atende a sua necessidade. Seja simples e direto nos CTAs também de modo que não restem dúvidas sobre o que o visitante ou prospecto deve fazer.

4. Teste A/B

Durante este artigo eu citei algumas dicas para você melhorar o seu desempenho com call to actions e qual a melhor forma de colocá-los em prática em sua estratégia de marketing de conteúdo. Entretanto, essas dicas e sugestões foram baseadas em minha experiência e também no que vejo dando certo para mim e meus clientes.

A parte bacana é que o CTA não é algo fixo, ou seja, os resultados podem mudar de pessoa para pessoa, de negócio para negócio. Então como saber o que é melhor para sua empresa? Testando!

Crie testes a/b em todas as suas chamadas para ação. Rastreie a conversão de cada uma delas através do URL Builder e Google Analytics, por exemplo. Analise os dados e veja qual o melhor formato para o seu caso, quais as cores que devem ser utilizadas e por aí vai.

Por falar nisso, se você tem dúvidas sobre a estrutura de seu CTA, a Resultados Digitais criou um artigo completo sobre este tema. Descubra as melhores cores, tamanhos e posições para o seu CTA clicando aqui.

Ufa, chegamos ao fim do artigo. Espero que você tenha gostado dele. Agora me diga, o que você achou desse artigo? Está pronto para colocar a mão na massa e criar os seus próprios CTAs? Deixe o seu comentário abaixo.

Junte-se a mais de 390 alunos e descubra como atrair mais clientes com o marketing de conteúdo!

César Ribeiro

César Ribeiro é o CEO do RedatorOnLine.net e consultor de marketing para pequenas empresas e profissionais liberais. Atua com marketing digital e marketing de conteúdo há mais 8 anos. Autor, empreendedor e apaixonado pela internet.

Website: https://redatoronline.net

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *